REPORTAGENS

Loading...

Guarda Civil de Cotia faz três apreensões e prisões por tráfico na rua dos Canários em menos de 24 horas


Entre às 00:30hs do dia 28, à 00:00hs do dia 29, a Guarda Civil de Cotia fez três apreensões em flagrante e prisões por Tráfico de Drogas na Rua dos Canários, próximo ao número - Jd. Coimbra em Cotia / SP.


 Primeira Apreensão:





Na madrugada do dia (28), por volta da 00:30hs, a equipe "B", noturna já havia apreendido um indivíduo por tráfico de drogas no mesmo endereço após patrulhamento local, conforme consta em registro na Delegacia de Cotia.





Segunda Apreensão:


Por volta do meio dia do dia 28 a equipe de ROMU 04 em patrulhamento desconfiou de um rapaz que estava parado em local onde sempre receberam denuncias de moradores, e a Guarda civil sempre faz apreensões de entorpecentes. Diante da semelhança de atitudes e desconfiança, os Guardas Civis abordaram o rapaz que em revista pessoal foi encontrado em seu bolso (06) seis pinos de cocaína e R$ 94,00 (Noventa e Quatro Reais).

Indagado da quantidade de entorpecentes em seu poder o mesmo após cair em várias contradições assumiu que estava ali a serviço do tráfico e que havia mais alguns pinos de cocaína em um terreno a uns 20 metros dali.

Os Guardas Civis deslocaram-se ao local e embaixo de um bloco de cimento estava escondido um saco plástico com mais 40 pinos de cocaína.

Diante do encontro das substâncias e do dinheiro os Guardas Civis conduziram o indivíduo a Delegacia de Policia de Cotia, onde o Delegado de Plantão determinou a constatação das substâncias encontradas ao I.C. (Instituto de Criminalística), onde deu positivo para 88,60gms de cocaína. Confeccionando assim o Boletim de Ocorrência de Ato Infracional para Flagrante de Trafico de Entorpecente recolhendo o menor M.J.F.S de 17 anos a cela especial da Guarda Civil de Cotia.

Ocorrência apresentada pela Viatura de ROMU 004 com apoio das demais vituras de ROMU.
   
Terceira Apreensão:


Durante a noite por volta das 00:00hs do mesmo dia 28 já iniciando a madrugada do dia 29 a viatura 1309 da equipe "D" da Área Central de Cotia também em patrulhamento na mesma rua, a guarnição desconfiou de um indivíduo que estava com duas mulheres, pois o mesmo tentou dispensar um objeto.

Porem, foi abordado e em revista pessoal os agentes encontraram R$ 79,00 (Setenta e Nove Reais), e quanto ao objeto dispensado, era um embrulho contendo, 58 pinos de Cocaína e 23 pedras de Crack.


Diante do encontro das substâncias, as duas mulheres e o indivíduo foram conduzidos a Delegacia de Policia de Cotia, onde o Delegado de Plantão determinou a constatação das substâncias encontradas ao 

I.C. (Instituto de Criminalística), onde deu positivo para 36,2gms para cocaína e 4,2gms para crack, confeccionando o Boletim de Ocorrência em Flagrante por Tráfico de Drogas e recolhendo o indivíduo R.B.M. de 20 anos a Cadeia Publica de Cotia, liberando as duas mulheres por nada ter sido encontrado de ilícito registrando-as assim como testemunhas.

Ocorrência apresentada pela viatura 1309, com apoio das  viaturas da área um, R1, R2 e Ronda Oficial Corregedor.



Fotos: Souza Lima
Por: Souza Lima



Leia Mais

Carcereiro e Preso são baleados em tentativa de fuga da Delegacia de Cotia

Neste Sábado 26, Um carcereiro e um preso foram baleados dentro da delegacia de Cotia, durante uma tentativa de fuga.


O detento já separado em uma cela individual por não ter bom convívio na cadeia, simulou querer ir ao banheiro e solicitou ao Carcereiro de plantão a abertura da cela para uso do mesmo que fica a alguns metros.


Atendendo a solicitação do detento o Carcereiro aproveitou para entregar a refeição do indivíduo que ao perceber a abertura da grade da cela pelo funcionário o atacou, entrando em luta corporal para pegar a arma que estava na cintura do policial.

Com a luta o detento conseguiu efetuar um disparo no ombro do carcereiro e a bala transfixou de cima para baixo atingindo vários órgãos.

Com o disparo e gritos do carcereiro um dos Policiais que estavam de plantão se dirigiu até o hall de espera onde verificou que o indivíduo tentava sair.

Aos gritos o policial mandou que o indivíduo soltasse a arma onde começou intensa troca de tiros entre eles e o detento fora atingido a baixo de um dos braços, caindo ao chão ferido e parando a reação.

De imediato sessado o confronto foram de encontro ao detento retiraram a arma que estava em seu poder e verificaram o estado que estava o Policial (Carcereiro de Plantão), providenciando a remoção dos dois feridos ao Hospital de Geral de Cotia, onde ficaram aos cuidados Médicos.

Informações dão conta que o Detento é um dos participantes do ataque aos Guardas Civis de Cotia que foram feridos quando patrulhavam na Rodovia Raposo Tavares em frente ao Hipermercado Extra.
Fato este ocorrido em Novembro de 2012. Os Guardas ficaram feridos e dois dos bandidos foram mortos em confronto no morro do Macaco apos perseguição, conforme reportagem no link a baixo.


Os Policiais e a Autoridade de Plantão que estava no local, prestaram todo o apoio ao colega de serviço.
Foi confeccionado o Boletim de Ocorrência da Policia Civil e solicitado a presença de Peritos da Policia Cientifica no local.


Por: Souza Lima



           
Ler Mais

Menor ateia fogo na cela especial da Guarda Civil de Cotia

Por Fau Barbosa
Por volta das 11h30hs dessa sexta-feira(25), um menor ateou fogo em uma das celas especiais da Guarda Civil de Cotia.
Segundo informações, ele estaria apreendido no local aguardando decisão do juiz, após ter sido detido na última terça-feira(22), em um roubo a um supermercado em Vargem Grande Paulista.
De acordo com o sub-comandante da Guarda Civil, inspetor Adelmo, o menor estava sozinho na cela especial e por pouco não sofreu queimaduras graves. Outros três menores estavam em celas próximas mas não se feriram.
O Auto-Tanque do Corpo de Bombeiros esteve no local e apagou o fogo, que teria sido iniciado em um colchão. Em seguida foi feito o trabalho de rescaldo.
O menor, G. de 17 anos, teria ateado fogo no colchão pois acreditava que, diante do tumulto conseguiria fugir. Diante do ocorrido, ele deve ser encaminhado à Fundação Casa.
 
 
O Boletim de Ocorrência de nº 4676/14, de ato infracional de "Incêndio, danos ao patrimônio" (Art. 250 do Código Penal) está sendo registrado no DP de Cotia.
Atendeu a ocorrência a viatura 1312 . Gc´s Simone e Marcel e o AT-18202 do Corpo de Bombeiros, Sgto. Jean e Sds Antunes e Almeida, com apoio do setor de inteligência da Guarda Civil.
Fonte: Portal Viva
Ler Mais

Estado de São Paulo tem queda de homicídios, latrocínios, roubos e furtos de veículos


Estado de São Paulo tem queda de homicídios, latrocínios, roubos e furtos de veículos

Em junho, o Estado de São Paulo teve queda de homicídios, latrocínios, roubos e furtos de veículos, além de furtos – que excluem os de veículos. As mortes intencionais caíram 9,8% no mês passado, com 35 casos a menos.


Foram registrados 321 homicídios em junho deste ano, enquanto o mesmo período de 2013 foram 356 casos. Esta é a terceira menor marca para um mês de junho na série histórica, atrás apenas de junho de 2011, que registrou 311 casos; e de junho de 2010, com 296 mortes intencionais.
No primeiro semestre do ano, as mortes intencionais tiveram redução 2,3%, de 2.237 mortes intencionais no ano passado para 2.185 neste ano.
O acumulado de 2014 para este indicador é o terceiro menor na série histórica, com o mesmo número de 2012, e atrás dos seis primeiros meses de 2011 (2.014 casos) e 2008 (2.182). Nos últimos 15 meses, houve redução de homicídios em 12 meses.
homicídios
A redução de latrocínios foi de 10%, com 27 roubos seguidos de morte em junho deste ano ante 30 em 2013. Esta é a segunda queda consecutiva, após estes crimes permanecerem estáveis por três meses (janeiro, fevereiro e abril) e crescerem em março. Este índice tem redução de 1,5% desde janeiro, com 200 casos nos primeiros seis meses ante 203 no mesmo período de 2013.
Veículos
Os roubos e os furtos de veículos registraram queda pela primeira vez em 13 meses.
Os roubos de veículos tiveram redução de 2,56% no mês passado, com 207 casos a menos. Foram registrados 7.877 crimes em junho, enquanto houve 8.084 no ano passado. A queda registrada nos furtos de veículos foi de 2,5%. Foram registrados 9.861 casos no mês passado ante 10.117 em junho de 2013.
Roubos
Pela primeira vez em 2014, os roubos – que excluem os de veículos – tiveram um crescimento abaixo dos 15% no Estado. Com 25.614 casos no mês passado, a alta foi de 14,7% em comparação com junho de 2013, que registrou 22.329 roubos.
roubos em são paulo
Os furtos – que excluem os de veículos – continuam com a sua trajetória de redução. Em junho, o indicador caiu 3,2%. São 1.423 furtos a menos na comparação entre o mês passado, que teve 42.574 casos, com junho de 2013, com 43.997.
Com isso, o indicador chegou a 11 meses consecutivos de redução e teve o menor número para um mês de junho nos últimos cinco anos. Em 2010, foram registrados 42.182 casos no mesmo período.
Desde janeiro, os furtos acumulam uma queda de 3,2%, com 267.574 casos ante 276.546.
Fonte: cotiaecia.com.br
Por: Souza Lima
Ler Mais

Guarda Civil de Cotia detém menor por trafico na Vila São Roque em Caucaia

Nesta quarta-feira (23), a viatura 1327 deparou com um indivíduo que trafegava com uma moto CBX Estrada em atitude suspeita, ao ser abordado pela guarnição e feito a revista pessoal, localizaram com o mesmo no bolso de sua calça duas trouxinhas de maconha e mais duas pedras de crack.

Perguntado onde teria comprado os entorpecentes, respondeu que havia comprado de um rapaz moreno, pela Rua Francisco Pires de Camargo, próximo ao número 438 na Vila São Roque em Caucaia do Alto.

Com o apoio das Viaturas de ROMUs e de área (03) Três, seguiram para o endereço mencionado pelo indivíduo detido com os entorpecentes.

No local um indivíduo ao avistar as viaturas entrou correndo em uma residência no qual fora perseguido e detido pelas guarnições.

Já no interior da mesma foi encontrado mais um rapaz, D.R.A. de 16 anos, que se dizia primo do que tentara fugir.

Perguntado sobre a venda de entorpecente feita no local o mesmo alegou não saber de nada e não praticar tal fato.

Feito buscas no local as Guardas Civis, encontram uma pequena bolsa de mão com vários tipos de entorpecentes, 24 pinos de Cocaína, 51 pedras de crack, 12 maconhas e R$ 16,00 (Dezesseis reais), em espécie no terreno ao lado da casa, próximo ao muro.

Diante dos fatos os indivíduos foram conduzidos à presença da Autoridade de plantão da Delegacia de policia de Cotia, Dr. Edson Andrade, que determinou a constatação dos entorpecentes ao I.C. (Instituto de Criminalística), onde o laudo foi positivo para Cocaína, Crack e Maconha.

Com a confirmação em laudo Técnico, o Delegado ratificou a voz de prisão em flagrante por TRAFICO de ENTORPECENTE, determinando a confecção do Boletim de Ocorrência/T.C. (termo Circunstanciado), recolhendo o menor a cela especial da Guarda Civil de Cotia e liberando os demais suspeitos para que sejam ouvidos posteriormente no andamento do processo.

Ocorrência apresentada pela viatura 1327, GCs Beatriz, Assis, Santos Silva e Inácio com apoio do Comando de área (03) três, das ROMUs 002 e 004 e viaturas de área (03) três. 




Fotos: GC Ezequiel
Por: GC Souza Lima



Ler Mais

Exército homenageia Comandante da Guarda Civil de Cotia





O Comando da 11ª Brigada de Infantaria Leve do Exército Brasileiro homenageou, na última semana em Campinas, o Comandante da Guarda Civil de Cotia, Henrique Pires de Albuquerque.
O Inspetor Albuquerque foi reconhecido pelo apoio prestado à Brigada Anhanguera durante os eventos da Copa do Mundo 2014.


O Comando do 2º Batalhão Logístico Leve "Batalhão Cidade de Campinas" também conferiu ao Comandante da Guarda, o Diploma de Amigo do Batalhão, pelos relevantes serviços prestados.

Fonte: Portal Viva
Por: Souza Lima


Ler Mais

Guarda Civil detém menor após roubo em Posto de Gasolina no Atalaia

Neste Domingo (19), por volta das 23:hs, o posto de Gasolina situado na av. Professor Joaquim Barreto 890, Bairro do Atalaia,  foi vítima de Roubo por dois indivíduos armados .

A viatura 1307 em patrulhamento de rotina passava em frente ao posto de gasolina, quando os frentistas correram pedindo desesperadamente que parassem, já avisando que dois garotos com uma faca teriam acabado de assaltado-los e teriam levaram R$ 200,00 (Duzentos Reais) em dinheiro.

De posse das informações e características, os Guardas Civis seguiram o caminho tomado pelos indivíduos e logo à frente a uns 200metros avistaram os dois garotos como informado pelos funcionários do posto.

Ao avistarem a aproximação da viatura saíram em disparada, correndo um para cada lado da via, tentando fugir para não serem presos.

Os Guardas focaram um dos rapazes o qual na descrição dos frentistas teria ameaçado-os com a arma-branca (Faca), e o detiveram logo à frente na mesma avenida não conseguindo pegar o outro que escapou e não foi mais visto apesar de outras viaturas fazerem patrulhamentos com vistas.

Feito a busca pessoal, fora encontrado com o mesmo a faca que fora utilizada para fazer o assalto.

Reconhecido pelos frentistas, C.S.D. de 17 anos confirmou a autoria do Roubo, mas não forneceu maiores detalhes do comparsa.

Informado a Autoridade de Plantão Dr, Elcio Bellini, determinou a lavratura do T.C. (Termo Circunstanciado) de ROUBO, recolhendo o menor a cela especial da Guarda Civil de Cotia.



Ocorrência atendida pela Viatura 1307 GCs Ronaldo e Pereira, com apoio das viaturas de área um (01).





Fotos: Ronaldo/Google Maps
Por: Souza Lima


Ler Mais

Parecer técnico do "PODER DE POLICIA" das Guardas Municipais - PL 39/2014.


Este parecer técnico nos foi enviado pelo CD Adilson, o qual representa a Guarda Civil de Cotia na Diretoria Executiva Nacional da CONGM - Conferência Nacional das Guardas Municipais.

10414588_10202408194789359_213063551104358149_n
Ressalto que o parecer que segue abaixo, foi transcrito em sua integra.

PARECER:
 

CONSULTA JURÍDICA – SEGURANÇA PÚBLICA
AS ATRIBUIÇÕES DAS GUARDAS CIVIS MUNICIPAIS:
O ARTIGO 5º, INCISOS E PARÁGRAFO ÚNICO, DO PROJETO DE LEI Nº 39/2014 E
O CHAMADO PODER DE POLÍCIA

I – DO ASSUNTO

Consulta-nos a CONFERÊNCIA NACIONAL DAS GUARDAS MUNICIPAIS – CONGM – Órgão representativo da classe, por meio de seu Presidente GCM OSÉIAS FRANCISCO, Subcomandante da Guarda Civil Municipal de São Bernardo do Campo – SP., para elaboração de Parecer técnico-jurídico acerca dos inciso XIII e XIV e seu parágrafo único, todos do artigo 5º, do Projeto de Lei nº 39/2014, bem como sobre notícias no sentido de que as Guardas Civis Municipais ganharam “Poder de Polícia”, aprovado no Senado Federal, já enviado para Sanção ou Veto Presidencial, nos moldes do Processo Legislativo, preconizado pela nossa Constituição Federal, em consulta realizada no dia 18 de Julho de 2014.

II – BREVE RELATO

Tendo em vista diversas interpretações que vêm ocorrendo acerca da boa aplicação dos incisos XIII e XIV, à vista também do parágrafo único, todos do artigo 5º, do Projeto de Lei nº 39/2014, associada às notícias no sentido de que as Guardas Civis Municipais “ganharam Poder de Polícia”, formulada foi consulta ao escritório jurídico DE MACEDO E ROMERO ADVOGADOS, capitaneado por este subscritor.

O ADVOGADO RICARDO ALVES DE MACEDO, inscrito junto à Ordem dos Advogados do Brasil, Seção de São Paulo, sob o nº 175.667, sócio do escritório jurídico acima mencionado, professor de Direito Criminal, pós graduado em Direito Penal e Processo Penal, Direito Tributário e Mestre em Direitos Coletivos e Instrumentos Processuais na defesa destes, atual Ouvidor da Guarda Civil Municipal de Ribeirão Preto – SP., o atendeu via fone, tendo em vista impossibilidade de fazer-se presente, o consulente, à sede do escritório consultado, momento em que foram elaborados em favor do consulente o que passa a expor doravante.

III - BREVES CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS TEMAS TRATADOS

3.1 – DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS

O chamado Estatuto das Guardas Civis Municipais regulamenta o parágrafo 8º, do artigo 144 (este, por sua natureza de norma de eficácia contida, pois carente, até então, de lei infraconstitucional para restringir sua aplicabilidade imediata), da Constituição Federal, trazendo norma mínimas e dando segurança jurídica a estas instituições policiais municipais, devendo a lei local complementar tal Estatuto no que couber, de acordo com as necessidades e circunstancias próprias dos Municípios que já as possui e àqueles que irão instituí-las, tal como abaixo:

CAPÍTULO III DA SEGURANÇA PÚBLICA

Art. 144. A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos:

I – polícia federal;
II – polícia rodoviária federal;
III – polícia ferroviária federal;
IV – polícias civis;
V – polícias militares e corpos de bombeiros militares.
§ 1º A polícia federal, instituída por lei como órgão permanente, organizado e mantido pela União e estruturado em carreira, destina-se a:
I – apurar infrações penais contra a ordem política e social ou em detrimento de bens, serviços e interesses da União ou de suas entidades autárquicas e empresas públicas, assim como outras infrações cuja prática tenha repercussão interestadual ou internacional e exija repressão uniforme, segundo se dispuser em lei;
II – prevenir e reprimir o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o contrabando e o descaminho, sem prejuízo da ação fazendária e de outros órgãos públicos nas respectivas áreas de competência;
III – exercer as funções de polícia marítima, aeroportuária e de fronteiras;
IV – exercer, com exclusividade, as funções de polícia judiciária da União.
§ 2º A polícia rodoviária federal, órgão permanente, organizado e mantido pela União e estruturado em carreira, destina-se, na forma da lei, ao patrulhamento ostensivo das rodovias federais.
§ 3º A polícia ferroviária federal, órgão permanente, organizado e mantido pela União e estruturado em carreira, destina-se, na forma da lei, ao patrulhamento ostensivo das ferrovias federais.

§ 4º - às polícias civis, dirigidas por delegados de polícia de carreira, incumbem, ressalvada a competência da União, as funções de polícia judiciária e a apuração de infrações penais, exceto as militares.
§ 5º - às polícias militares cabem a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública; aos corpos de bombeiros militares, além das atribuições definidas em lei, incumbe a execução de atividades de defesa civil.
§ 6º - As polícias militares e corpos de bombeiros militares, forças auxiliares e reserva do Exército, subordinam-se, juntamente com as polícias civis, aos Governadores dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios.
§ 7º - A lei disciplinará a organização e o funcionamento dos órgãos responsáveis pela segurança pública, de maneira a garantir a eficiência de suas atividades.
§ 8º - Os Municípios poderão constituir guardas municipais destinadas à proteção de seus bens, serviços e instalações, conforme dispuser a lei. (grifos nossos)
§ 9º A remuneração dos servidores policiais integrantes dos órgãos relacionados neste artigo será fixada na forma do § 4º do art. 39.
§ 10. A segurança viária, exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do seu patrimônio nas vias públicas:

I - compreende a educação, engenharia e fiscalização de trânsito, além de outras atividades previstas em lei, que assegurem ao cidadão o direito à mobilidade urbana eficiente; e
II - compete, no âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, aos respectivos órgãos ou entidades executivos e seus agentes de trânsito, estruturados em Carreira, na forma da lei.

Incumbe, pois, nos termos acima expostos, às Guardas Civis Municipais, instituições policiais de natureza civil, uniformizadas preferencialmente na cor azul marinho, armadas de acordo com o Estatuto do Desarmamento, a proteção de bens, serviços e instalações Municipais.

Atribuições mínimas, porém!

De acordo com o Projeto de Lei nº 39/2014, atribui-se também às Guardas Municipais, a função de proteção municipal e à pessoa humana, ressalvadas as competências da União, Estados-membros e Distrito Federal.

Assim, com o advento do Estatuto das Guardas Civis Municipais, cria-se um critério de competência próprio destas, a saber: a prevenção a delitos e infrações administrativas e a proteção de bens, serviços, instalações, logradouros municipais e pessoas que de tais bens ou serviços se utilizem.

Logo, trata-se de matéria exclusiva às Guardas Civis Municipais onde estas existirem. Quando não existentes, tal atribuição passa a ser das Polícias Militares, tal como já vem sendo exercida.

Contudo, com a aprovação do Projeto de Lei nº 39/2014, o avanço é nítido na regulamentação da atividade das Guardas Municipais, pois este Órgão, também integrante do Sistema Nacional de Segurança Pública, passa a ser regido pelo projeto depois da sanção Presidencial, restando à lei Municipal regulamentar os assuntos peculiares à Guardas em cada município, i.e: valores dos vencimentos dos Guardas que poderá varias de município a município.

Do mesmo modo, quer-nos parecer, pela análise de alguns pareceres já estudados, certa inquietação jurídica no tocante à boa aplicabilidade dos incisos XIII e XIV, à luz do parágrafo único do artigo 5º, do Projeto suso referido, nos seguintes termos:

CAPÍTULO III

DAS COMPETÉNCIAS

Art. 5° São competências específicas das guardas municipais, respeitadas as competências dos órgãos federais e estaduais:...

XIII — garantir o atendimento de ocorrências emergenciais, ou prestá-lo direta e imediatamente quando deparar-se com elas;
XIV — encaminhar ao delegado de polícia, diante de flagrante delito, o autor da infração, preservando o local do crime, quando possível e sempre que necessário;...

Parágrafo único. No exercício de suas competências, a guarda municipal poderá colaborar ou atuar conjuntamente com órgãos de segurança pública da União, dos Estados e do Distrito Federal ou de congêneres de Municípios vizinhos e, nas hipóteses previstas nos incisos XIII e XIV deste artigo, diante do comparecimento de órgão descrito nos incisos do caput do art. 144 da Constituição Federal, deverá a guarda municipal prestar todo o apoio à continuidade do atendimento.

Passemos, destarte, à análise do tópico acima apontado que tem causado interpretações divergentes.
3.2 – DA APLICABILIDADE DOS INCISOS XIII E XIV, À LUZ DO PARÁGRAFO ÚNICO, TODOS DO ARTIGO 5º, DO PROJETO DE LEI Nº 39/2014

Não se pode negar que a aprovação do Projeto de Lei nº 39/2014, foi a necessária decisão para a plena aceitação das Guardas Civis Municipais enquanto Órgãos do Sistema Nacional de Segurança Pública.

Vaidades a parte, já inseridas no Capítulo próprio da Segurança Pública, alguns ainda insistiam em dizer que as Guardas eram eminentemente patrimoniais e não tinham o chamado “Poder de Polícia”, tema a ser abordado em tópico próprio deste parecer.

Logo, ao longo de anos travou-se uma batalha em nosso Congresso Nacional para a aprovação do tão sonhado Estatuto; com isso, foram extirpadas do texto cinco (05) emendas para que aprovado fosse sem que voltasse à casa iniciadora, no caso, a Câmara dos Deputados!

Porém, a aplicabilidade dos incisos XIII e XIV, à luz do artigo 5º do mencionado projeto, ainda causa celeuma. Desse modo, não podemos permitir a interpretação equivocada da redação aprovada, sob pena de encontrarmo-nos diante de uma hipótese de subordinação das Guardas Civis Municipais aos demais Órgãos de Segurança Pública.

Disparate!

É muito pacífico pelos termos do projeto, que as Guardas Civis Municipais não só podem, mas devem também atuar em conjunto com demais forças de segurança, cada ente subordinado a seus órgãos de cúpula de comandos próprios. Porém, devem agir harmonicamente entre si, pautados sempre no respeito e considerações mútuas que o interesse social exige e que o orgulho pessoal proíbe!

No caso aqui comentado, parece-nos bem tranquila a análise da mens legis quando os incisos XIII e XIV serão aplicados frente ao parágrafo único do artigo 5º, do Projeto de Lei nº 39/2014.

Passemos, destarte, a tal análise:

1 – prima facie, verifica-se no início do parágrafo único a expressão “No exercício de suas competências...”.

Nos parece óbvio que as Guardas Municipais devem atuar nos estritos termos de suas competências e atribuições.

As primeiras são ditadas pelo texto Constitucional; as segundas pelas normas infraconstitucionais. Por conseguinte, sendo competência ou atribuição das Guardas Municipais, i.e: crimes de dano, furto ou até mesmo roubo em próprio público municipal, ou ainda tráfico de entorpecentes ali ocorrido, deve agir, deter em flagrante delito aqueles que se acharem em tal situação, bem como conduzi-los à presença da Autoridade Policial, entendendo-se esta como o Delegado de Polícia, para sua ratificação, com a respectiva elaboração do Auto de Prisão em Flagrante Delito.

2 – em segundo plano, já no final dos escritos, o parágrafo único nos deixa clara a hipótese de que “e, nas hipóteses previstas nos incisos XIII e XIV deste artigo, diante do comparecimento de órgão descrito nos incisos do caput do art. 144 da Constituição Federal, deverá a guarda municipal prestar todo o apoio à continuidade do atendimento.”

Tal se deve quando justamente as Guardas Municipais não forem as instituições competentes, mas sim, ser a primeira guarnição policial a tomar ciência dos fatos criminosos.

Deve, então, quando não se tratar de competência ou atribuição própria das Guardas Civis Municipais (aí, repito: as Guardas, nestes casos é que devem agir) e estas se depararem com o ilícito, também devem agir, prima facie, preservando o local, prestando socorro às vítimas, ou até mesmo garantindo a segurança da população, onde logo a seguir, comunicará, aos responsáveis pela assunção da ocorrência e consequente destinação dos infratores, se não detidos em flagrante delito, à presença por quem de Direito à Autoridade Policial.

Seria o caso, por exemplo de, hipoteticamente, em deslocamento de um município a outro, a guarnição da Guarda Municipal se depara com troca de tiros em Rodovia Federal ou acidente dolosamente ali praticado.

Deve, pois, agir em repúdio ao ilícito, até mesmo, se o caso, detendo o infrator em flagrante delito e comunicando o fato a quem de direito (no caso, Polícia Militar/Polícia Rodoviária Federal, na primeira hipótese, ou Polícia Rodoviária Federal na segunda hipótese).

Preservarão o local até a chegada dos legalmente competentes, passando a estes a ocorrência, pois competência ou atribuição suas.

Em casos onde e houver o controle da situação, ou até mesmo resistência da delinquência à Guarda Civil Municipal, jamais um militar ou qualquer força vai requisitar legalmente ou poder assumir a ocorrência.

Caso assim pensássemos, seria uma enorme anomalia! Do mesmo modo, não existe tipo penal para penalizar aquele operador de segurança pública guarda municipal caso prossiga com a sua convicção de conduzir sua ocorrência do início ao fim, preservando a integridade do preso e respectivamente preservando sua reserva legal e prejuízos advindos (agressões, lesões ao preso ou até mesmo prevaricação da segunda força).

Quiçá, usurpação de função pública? Penso que não, pois a teor do que dispõe o artigo 301 do Código de Processo Penal, qualquer pessoa pode deter quem se achar em flagrante delito.

A propósito:

Art. 301. Qualquer do povo poderá e as autoridades policiais e seus agentes deverão prender quem quer que seja encontrado em flagrante delito.

Art. 302. Considera-se em flagrante delito quem:

I - está cometendo a infração penal;
II - acaba de cometê-la;
III - é perseguido, logo após, pela autoridade, pelo ofendido ou por qualquer pessoa, em situação que faça presumir ser autor da infração;
IV - é encontrado, logo depois, com instrumentos, armas, objetos ou papéis que façam presumir ser ele autor da infração.

Art. 303. Nas infrações permanentes, entende-se o agente em flagrante delito enquanto não cessar a permanência.

Minimamente, os Guardas Civis Municipais são agentes da Autoridade Policial.

Logo, devem deter quem se encontra em flagrante delito, independentemente de ser o delito de sua competência ou atribuição, sob pena do cometimento dos delitos de corrupção passiva privilegiada ou prevaricação, tal como abaixo:

Corrupção passiva
Art. 317 - ...

§ 2º - Se o funcionário pratica, deixa de praticar ou retarda ato de ofício, com infração de dever funcional, cedendo a pedido ou influência de outrem:

Art. 319 - Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal:

Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.

Porém, subordinar as Guardas Civis Municipais a quem não for Guarda Municipal, hierarquicamente superior, ou não estiver investido na função, jamais!

Afinal, é o que nos parece mais justo, antes de tudo.

3.3 – DO PODER DE POLÍCIA

Muito tem se falado que com a aprovação do Estatuto das Guardas Civis Municipais, estas ganharam o chamado Poder de Polícia.

Em princípio, devemos esclarecer o que vem a ser Poder de Polícia!
É da essência do artigo 78, do Código Tributário Nacional, a conceituação do chamado Poder de Polícia, nestes termos:

Art. 78. Considera-se poder de polícia atividade da administração pública que, limitando ou disciplinando direito, interesse ou liberdade, regula a prática de ato ou abstenção de fato, em razão de interesse público concernente à segurança, à higiene, à ordem, aos costumes, à disciplina da produção e do mercado, ao exercício de atividades econômicas dependentes de concessão ou autorização do Poder Público, à tranquilidade pública ou ao respeito à propriedade e aos direitos individuais ou coletivos. (grifos nossos).

Parágrafo único. Considera-se regular o exercício do poder de polícia quando desempenhado pelo órgão competente nos limites da lei aplicável, com observância do processo legal e, tratando-se de atividade que a lei tenha como discricionária, sem abuso ou desvio de poder. (grifos nossos).

O que muito se noticia, equivocadamente, é o poder, que na verdade seria dever, de fazer e realizar policiamento ostensivo, ou seja: patrulhamento preventivo e rondas ostensivas!

Uma simples análise do artigo acima mencionado, nos dá a dimensão que o chamado Poder de Polícia é inerente às Guardas Municipais desde suas constituições e que, doravante, com a chegada do Estatuto das Guardas Civis Municipais, fica expresso!

O que jamais podemos confundir é a atividade fiscalizatória (policial), que pode e deve ser exercida por qualquer órgão que tenha atribuição a tal, com a atividade consistente em realizar patrulhamento preventivo, rondas ostensivas e policiamento; à segunda hipótese, dá-se o nome de fazer policiamento com vistas à garantia e manutenção da ordem pública.

Podendo ser resumido em uma palavra, poder de polícia é nada mais, nada menos que Poder de Fiscalização! Daí, por vezes, a Polícia incomodar

tanto, pois isso importa em restrição a Direitos e Garantias Individuais, que como é cediço, não possuem natureza absoluta!

Em resumo: o Estatuto das Guardas Civis Municipais não trouxe a tias instituições Poder de Polícia, pois estas já o possuíam. Somente regulamentou artigo Constitucional para a boa e perfeita atividade policial municipal!

IV– CONCLUSÃO

Tendo em vista o quanto exposto e, considerando as condições do parecer aqui manifestado, sem o propósito de esgotarmos a matéria, pois vasto o campo de estudos e ainda muito há a ser debatido, fica o presente parecer, numa análise perfunctória sobre o tema, esperando, de cá, haver atendido as expectativas da Conferência Nacional das Guardas Municipais, nos seguintes termos:

1 – não deve existir subordinação entre os diversos Órgãos e Segurança Pública em nosso país;
2 – cada qual age de acordo com suas competências e atribuições, distribuídas as primeiras ao nível Constitucional e as segundas em normas infraconstitucionais;
3 – as Guardas Municipais integram nosso Sistema Nacional de Segurança Pública;
4 – podem as Guardas agir conjuntamente a Órgãos outros de segurança em prol do interesse social, respeitando, aqueles, sempre:

a) a proteção dos direitos humanos fundamentais, do exercício da cidadania e das liberdades públicas;
b) a preservação da vida, redução do sofrimento e diminuição das perdas;
c) o patrulhamento preventivo;
d) IV — compromisso com a evolução social da comunidade; e
e) V — uso progressivo da força.

Por derradeiro, acreditando ter prestado os esclarecimentos necessários, salvo melhor juízo, contando ainda com a compreensão de Vossa Senhoria, apresentamos o presente parecer à consulta formalizada, colocando o escritório jurídico à Vossa disposição para maiores esclarecimentos, apresentando, ainda, protestos de elevada consideração.

Ribeirão Preto – SP., aos 21 de Julho de 2014.
RICARDO ALVES DE MACEDO
ADVOGADO – OAB-SP Nº 175.667
OUVIDOR DA GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO – SP.


Por: Gilberto S.

Ler Mais

ROMU prende Traficante no Bairro do Monte Santo

Nesta Segunda-feira, (21), por volta das 16:00hs. Uma  denuncia anônima foi recebida pela CECOM (central de Comunicações da Guarda Civil de Cotia).

A viatura de ROMU 004 foi deslocada a Rua São Benedito, no Bairro do Monte Santo onde avistou um indivíduo com as características informadas pelo denunciante ao CECOM.

Em atitude suspeita, ao avistar as viaturas de ROMU ficou nitidamente nervoso sem saber o que fazer características já sabida por policiais quando o indivíduo esta fazendo algo errado ou devendo a Justiça.

Já próximo ao suspeito A.F.S de 29 anos, foi feito a abordagem e encontrado em sua posse a quantia de R$ 67,00 (Sessenta e sete Reais), em conversa o mesmo ainda informou que era ele quem estava traficando no local e que as drogas estariam na viela próxima, levando a guarnição até onde ele as escondia.

Foram encontrados, 31 pinos de Cocaína, 09 pedras de crack, 02 papelotes de Maconha.
O mesmo informou a guarnição de ROMU que já havia sido preso pelo mesmo artigo na cidade de Itapevi e que não encontrava trabalho e resolvera voltar a traficar.

Dado voz de prisão o mesmo foi conduzido a Delegacia de Cotia onde o delegado de Plantão Dr. Hernani Nogueira Proença, solicitou a constatação ao I.C. (Instituto de criminalística) e informado da veracidade das drogas apreendidas ratificou a voz de prisão em FLAGRANTE por TRAFICO DE DROGAS, recolhendo o indivíduo a Cadeia Publica de Cotia.

Ocorrência atendida pela ROMU 004 com apoio da ROMU 002.

Fotos: Almeidinha
Por: Souza Lima


Ler Mais